segunda-feira, 6 de novembro de 2017

(Sol)ando no Papel

Lápis coloridos e um pedaço de papel
Hora de inovar, reinventar o novo, mesmo que de novo


Um verde para o campo
Um marrom para as árvores
Um amarelo para a casa e para o sol


Um preto e um branco para o cachorro
O cinza para a calçada
Um laranja para a pipa e para o sol


Um rosa para a bola
Um azul para o chinelo
Um vermelho para a ferida e para o sol


De diversas formas para a montagem da paisagem, eu invento as cores
De diversas formas para a montagem das coisas, eu inverto as cores


O que não me atrevo a evitar é o sol, por isso ando, ainda só, em solo, sol
Multicores, ainda o mesmo sol

A mesma tarde
O mesmo retrato
A mesma lembrança
O mesmo trato


A mesma balança
O mesmo fato
Da mesma sustância
Do mesmo prato


E o sol põe-se antes do desenhar
Aí perco linhas
Nos traços mal laçados


Mas nunca deixo de desdenhar
Porque a tarde está no lápis
E nos campos floridos
Hora de acampar e reinventar ...o novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário